NOTA DA REDE EMANCIPA DE EDUCAÇÃO POPULAR LIBERDADE PARA RAFAEL BRAGA!!!

Nós da Rede Emancipa, uma rede nacional de educação popular, viemos nos pronunciar contra a Prisão de Rafael Braga, por entendermos o conteúdo racista do seu cárcere.
Na perspectiva de uma educação critica e libertadora, há 10 anos, em nossos cursinhos populares, denunciamos abertamente o racismo em todas as suas variáveis sociais. Compreendemos que a precariedade dos serviços públicos (saneamento, saúde, educação, etc.); o genocídio alimentado pela violência policial e pela criminalização racista; são marcas do racismo estrutural em nossa sociedade.

No caso de Rafael Braga, a criminalização racista e abordagem policial discriminatória são pontos que não podemos ignorar. Sua prisão durante as jornadas de junho é exemplo do que ocorre cotidianamente nas comunidades e periferias do Brasil. Os fatos não nos deixam dúvidas. Ele, Jovem negro, pobre, catador de latinhas e favelado, foi preso próximo de uma manifestação que acontecia no Centro do Rio (não era participante da mesma). Seu “crime” foi o de portar duas garrafas (lacradas), uma de pinho sol e outra de água sanitária, que usava para fazer bicos limpando carros. Sua prisão é parte da lógica seletiva deste Estado que visa criminalizar os/as negro/as e os/as pobres.

Não podemos ignorar que vivemos num país fortemente marcado pelas desigualdades social e racial. Pune inocentes de um lado e por outro garante liberdade a bandidos de colarinho branco. A maioria dos presos do sistema penal (aproximadamente 660 mil) é formada por negros e pobres, revelando que a seletividade tem cor e classe.
Nós da Rede Emancipa sofremos com racismo. Nossas e nossos estudantes e educadoras educadores são vitimas do preconceito. Entendemos a prisão de Rafael Braga como mais um triste episódio racista na história brasileira. Combateremos de forma militante e energética. Apontamos para a necessidade de uma ampla campanha visando a sua liberdade. Estaremos ombro a ombro com todas/os aquelas/es que visam construí-la.

 

Comentários